Bloquear botão direito do mouse: Bloquear seleção de texto: Bloquear tecla Ctrl+C/Ctrl+V: Bloquear arrastar e soltar:

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

DIA DOS NAMORADOS - SOLANGE RECH



Imenso amor o meu

Imenso amor o meu, tão grande
Que minha alma, liberta da couraça
Do egoísmo, da mágoa, da aridez,
Vive no espaço que esse amor lhe traça.
Dia após dia, mês depois de mês,
Sigo teus passos, preso à tua graça.
És a resposta a todos os porquês
E a afirmação de que nem tudo passa.
Quando disseste “vem comigo”, eu vim
Pois eras a esperança, eras meu sonho
Mais divino, mais puro, mais pudico.
Como a lei natural impõe um fim,
Morra eu, que de matéria me componho,
Mas nunca morra o amor que te dedico
Solange Rech
Nota: Num blogue de poetisas, abro uma exceção hoje, não só porque gosto muito do poema, mas porque o poeta usava um pseudónimo feminino.
Aqui a biografia

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

DALILA MOURA



Travessia de um abraço


O dia acendeu-se por entra a chuva
e todo o lume gotejou sobre os meus olhos
enquanto o tempo envelhecia.
Divinos são os pingos
que se abrigam entre os frutos
e despois escorrem para o mar
ampliando as estrelas e os barcos
onde descansam as marés!
Tudo é colheita,
na limpidez da água,
onde navega o coração na travessia de um abraço!






BIOGRAFIA


Dalila Moura Baião nasceu em Santo Estêvão – Benavente, a 8 de Novembro e vive em Setúbal.
É Professora, com Doutoramento Europeu, em Ciências da Educação, realizado na Universidade de Huelva.
Exerce a sua actividade profissional em Setúbal, no Agrupamento de Escolas, Lima de Freitas. O seu percurso profissional encontra-se ligado à Educação pela Arte, possuindo nesta área o curso de Estudos Superiores Especializados e um curso de Teatro e Expressão Dramática. Possui o Diploma de Estudos Avançados na Área do Conhecimento – Didáctica e Organização Escolar, pela Universidade de Huelva. Foi Docente de Prática e Reflexão Pedagógica do 2º e 3º ano do Curso de Licenciatura em Professores do Ensino Básico, da ESE de Setúbal. Formadora com Certificado de Qualificação na área e domínio C05 Didácticas Específicas, com aplicação a professores do 1º ciclo do ensino Básico.
A autora de “Momentos” (1983), “Varandas de Luar” (2009), “Amar em Chão de Mar” (2010) , “Quando o Mar Corre no Peito” (2015), que participou no “II Concurso de Poesia da Associação cultural Draca”, tendo obtido o 1º prémio, com o poema: “Poema Incompleto – a Pina Bausch”, apresenta-nos em 2016, o poemário: “No Fio da Memória” e em 2017, o livro Infanto-Juvenil “A Gruta de Corais”.



FONTE  A

sábado, 20 de janeiro de 2018

BÁRBARA LIA


Flor escandalosa

Meu pai sonhava o deserto
E viveu ao lado do amor
Rimbaud sonhava as areias
Também reinventar o amor
Rimbaud viveu no deserto
Meu pai morreu de amor
Meu pai surfava o mar de estrelas
Com um teodolito da cor da destemperança
– verde oliva que tende ao amarelo –
Quando eu dormia ele soprava
Sementes de poesia
Por cima das minhas cobertas
Rimbaud passava noites inteiras
Regando com um regador de nuvens
Minha alma de fogo e a semente
Nasceu esta flor escandalosa
Misto de estrela e rosa
Da cor dos olhos do amor
E do deserto sonhado
Por meu pai e Rimbaud
Meu pai viveu em poesia
Nunca escreveu um verso
Rimbaud desistiu bem cedo
Meu pai sabia; sabia Rimbaud
O vento que atravessa a cortina
Traz a voz de ambos, mixada:
Ilumine o verbo!
Incendeie a alma!
Faça de corações desertos
Cactos em flor
Sangue em ebulição

 Bárbara Lia



BIOGRAFIA  AQUI

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

PENSO EM TI






PENSO EM TI





Penso em ti
Na solidão
angustiada
dos dias
que dançam
em ondas de agonia
no oceano
do meu corpo
esquecido.

Penso em ti
Nos labirintos
do sonho
perdida.
Como barco
sem rumo
nem norte
em mar de
tempestade.

Penso em ti
Na escuridão
silenciosa
da minha noite
que cavalga
o tempo sem fim
do meu corpo
ondulante
de desejo.

Penso em ti
Principio e fim
da razão
do meu ser.



Elvira Carvalho